No Rio de Janeiro, estudantes contam suas histórias em obras que, há até pouco tempo, não poderiam ler