“O que avaliamos é que a fragilidade do município está no diagnóstico tardio. E isso é muito perigoso diante da malária falciparum, que é a forma mais grave da doença e que pode matar se não for diagnosticada e tratada em tempo oportuno”, diz Myrna Barata.